quarta-feira, 1 de junho de 2016

DATAS COMEMORATIVAS E A AUSÊNCIA DE SENTIR


Por Rebeca Crivelaro Campos
1º de Junho de 2016

Mais uma data comemorativa se aproxima e...

Já há alguns anos, venho refletindo sobre a 'obrigação social' de termos de nos encaixar nas datas comemorativas, ou eu chamaria melhor de - datas comerciais. São datas impostas pela mídia e pelo comércio com o principal objetivo de estimular o consumismo. Por esses meios de imposição, essas datas foram inseridas no inconsciente coletivo, como crenças sociais e não foram questionadas ou sentidas como algo positivo para cada um.

Se você opta por questionar, por não participar de algum ritual específico nessas datas ou, não consome nada como é dito que você 'tem que' fazer, naturalmente consideram você um estranho, esquisito, etc.

Geralmente, não existe uma reflexão sobre a data em si, de um sentimento que a data desperta verdadeiramente, mas uma reprodução automática do que dizem que essa dia deveria ser, no mundo ideal, cinematográfico e não no real, no seu sentir.

Se você não está bem, ou mesmo, se está e quer estar só, ou se não quer estar presente na comemoração de uma dessas datas, é melhor fingir estar ali, 'comemorando', pra evitar o bullying e a cobrança que surgirá de todos os lados.

Assumir o que você sente ou viver de aparência? Eis a questão!

As datas em si não são boas nem más, depende claro, de como as vemos. Mas, a obrigatoriedade do consumo desconectada do significado é o que deixa a coisa mais mecânica e vazia.

Como transformar essa situação? Na verdade, sabemos que não mudamos ninguém, só a nós mesmos. Então proponho aqui o início de uma reflexão sobre o que essas datas representam de verdade pra você. 

Se você faz questão de comemorar essas datas, se elas ressoam com você, com o seu sentir, que tal, ao invés de um presente 'tradicional', você produza algo seu, único: um artesanato, um poema, uma comida deliciosa, um quadro, um vídeo, um jogo. Se concentrando mais no significado, no propósito, na reflexão do tema do que na data propriamente dita.

Outro ponto é, se você não está realmente afim, se não tem razão ou motivação para 'comemorar' a data, não faça! Isso é violência energética com você. Não será bom nem pra você, nem para quem esteja 'comemorando' com você.

E outra opção seria deletar essas data do seu calendário interior. No mundo quântico, se você não percebe o evento, ele simplesmente não existe. Então, que tal uma viajem no período, ou um programa totalmente oposto ao que dizem que deve ser aquele dia. Ou simplesmente ignore e veja aquele dia como outro comum. Lembre-se, é você que determina o significado de tudo.

Querem uma vida com mais sentido, mais propósito, mais parecidas com vocês?! Comecem a se conectar ao que sentem, questionem e não reproduzam o que dizem que deve ser feito.

Sinta sempre se é pra você. Se é pra 'todo mundo', duvide logo. Você não é 'todo mundo'. Pois, a individualidade do ser é real e o que é imposto às massas é o que não funciona na prática. Se você está conectado com o seu sentir, a apelação ao consumo não afetará você, nem a obrigação de comemorar a data. A a ocasião passará despercebida.

Sejamos reais, naturais, espontâneos e não artificiais como a mídia solicita. Pessoas programadas para gostar e sentir necessidade de consumir ou comemorar certos temas em datas específica.

Seja livre pra comemorar quando estiver afim e ignore o consumo imposto e desenfreado sem propósito. 

O seu sentir, o seu bem-estar, a sua conexão são os bens mais valiosos que irão permitir que sua vida seja repleta de comemorações verdadeiras e significativas para você!

Rebec@
Respeite os créditos ao compartilhar a mensagem! 
Blog Feminino Quântico:http://femininoquantico.blogspot.com/2016/05/datas-comemorativas-e-ausencia-de-sentir.html